Friday, March 18, 2011

CC&D

Coreographers, Composer and Designer é uma disciplina eletiva do meu curso. E sem dúvida nenhuma, foi o programa desta aula uma das coisas que mais me motivou a querer fazer NYU.
No primeiro semestre, foi muito duro, porque como a professora é ligada ao teatro, ela pediu muitos exercícios ligados à palavra. Dançar e falar. Eu quase morria em cada um destes, mas dei conta e não desisti da disciplina.
E minha determinação foi compensada.
Quem sobrevive ao primeiro semestre tem a oportunidade de ser dividido em pequenos grupos (duplas ou trios) de coreógrafos, e então estes coreógrafos começam a decidir o que querem fazer.
E o grande diferencial é que nós então nos associamos com designers (set, ilumicação e figurino) e músicos também alunos da TIsch. E há um budget para custear set e figurinos.




Eu, Lauren e Shuhan começamos então a conversar sobre referências, inpiração, o que gostaríamos de fazer juntas. Depois de muito conversar chegamos na idéia de trabalhar o acaso, com um enfoque saindo do humano (o real) e indo para o fantástico (o exagero do real). Pensando em encontros e desencontros, possibilidades que se perdem, etc.
Achamos um texto de uma peça de teatro chamada "Sure thing" onde um casal sentado no bar começa a conversar. Mas sempre que a conversa vai para um rumo estranho e o casal vai perder a possibilidade de ficar junto toca um sino, e a conversa muda de rumo ligeiramente, de forma que o assunto ande mais um pouquinho. Até que no fim tudo se resolve e o casal sai do bar feliz e apaixonado.
Nós não vamos fazer esta peça, nem usar o texto, nem nada. Mas foi a primeira referência dada aos designers como inspiração para este projeto.
Mas além disso, assim como na obra das escadas do M.C. Escher, gostaríamos de também criar ema sensação de realidade distorcida, indo para o surreal.
Como inspiração de filmes e de musica, tivemos Amelie Poulin e Micmacs. Ou seja, gostaríamos de trazer um pouco deste universo Paris burlesco ao nosso trabalho.
Um outro filme que veio a tona com toda esta discussão sobre acaso foi corra Lola corra, pois o que acontece se eu tomar a decisão de ir para a direita, ao invés de ir para a esquerda? Vou ser atropelada por um táxi? Vou cair num buraco? Vou encontrar o amor da minha vida? (Bom, eu pessoalmente já encontrei. Então esta não é uma questão válida para mim.)
Enfim. Com todo este discurso pronto nós começamos a desvendar o que iríamos fazer em termos de figurino, cenário, iluminação e música.






Nosso figurinista é o máximo, o Mark.
Foi ele que trouxe a referência destas pinturas do Juarez Machado (sim, um artista brasileiro!) que agregaram muitas coisas para nossa inspiração de movimentos.
Como vocês podem ver acima, as obras são retratos de pessoas, e elas exalam dança de cada centímetro.

....

Abaixo algumas fotos da nossa seleção final para figurino, iluminação e cenário.








Percebam que estes samples de iluminação foram feitos em cima de uma réplica do nosso teatro, junto às peças em miniatura do cenário. Está réplica tem em torno de 30 a 40 cm.
E também tem a miniatura dos nossos seis bailarinos (maravilhosos), e cada um deles com seu figurino.


Sou só eu que acho isso o máximo?
E eis que a nossa designer de set passou as férias de primavera construindo as peças em tamanho real e nos mandou fotos por e-mail:


Mal posso esperar para começar a coreografar com o cenário. Quer dizer, não sei como vai ser a logística, porque eles não cabem nas salas de aula, mas alguma coisa vamos ter para ensaiar.
E a Maite (a designer) conseguiu atender meus apelos de que os objetos fossem escaláveis...
Ah... E neste espaço vazio aí do meio onde tem um moço se pendurando vai ter uma porta giratória espelhada...

....

Além de tudo isto, nós temos os professores-diretores de cada área que passam nos orientando e questionando durante cada reunião de produção.
E o pessoal do design e da música precisa vir com certa frequência aos nossos ensaios para entenderem e irem adaptando seu trabalho conforme a coreografia se desenvolve.

Também tivemos que fazer uma apresentação do nosso projeto para os outros grupos e para alguns convidados. Isso imitou a experiência que um coreógrafo e equipe passa ao vender seu trabalho para um teatro ou patrocinadores, antes mesmo dele ter a mínima idéia prática do que será feito.


Vai dizer?
Eu amo meu trabalho.

8 comments:

  1. I'm having a giveaway on my blog for a pretty ring from bobbins & bits if you'd like to check it out. :) x
    devorelebeaumonstre.com

    ReplyDelete
  2. Fantastico more...trabalhar com apoio (de outros grandes artistas) são outros 500 né!!!

    Te amo

    ReplyDelete
  3. PS: Adorei as cores do figurino =)

    ReplyDelete
  4. Faltou o meu fotógrafo, neste dia e em todos os outros. Te amo.

    ReplyDelete
  5. na verdade faltou o fotógrafo e a partiner!!!!
    huahuahauhauhahau

    ReplyDelete
  6. Nossa, que demais!!!!!

    Achei o máximo Xu!

    ReplyDelete
  7. Uau!

    Outros 500 mesmo trabalhar dessa forma. É tudo tão profissional e bem feito!

    Maravilhosa oportunidade que você tá tendo Carol!

    Bjs

    ReplyDelete
  8. Eu adorava assistir aos quadros do Juarez Machado no Fantástico na minha infância e adolescência. Ele era um misto de Chaplin e Marcel Marceau, muito bem humorado. Mas eu não conhecia estes quadros dele, não. Que lindos!
    Puxa! Esta disciplina de CC&D é mesmo o máximo, hein, Carol!

    ReplyDelete

ShareThis